As Margaridas

"As Margaridas"

Quando cheguei naquele ocaso vago
e já te foras sem dizer adeus,
não foi a vida que me fez amargo
nem a tristeza do que se perdeu.

Não doeu tanto descobrir tapera
aquele rancho que sonhei pra nós
nem retornar, após a longa espera,
e abrir a porta sem ouvir-te a voz.

Não doeu tanto a solidão do mate
nem o silêncio em volta do fogão
nem o perfume que ficou no catre.

A dor maior das dores que senti
foi ver morrerem sem chegar-te as mãos
as margaridas que colhi pra ti.

Autor: Vaine Darde

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s